21.1.07

 

Poemas favoritos XXVIII
Favorite poems XXVIII


Táctica y Estrategia
Mario Benedetti

Mi táctica es mirarte,

Aprender como sos,
Quererte como sos.

Mi táctica es hablarte y escucharte,
Construir con palabras
Un puente indestructible.

Mi táctica es quedarme en tu recuerdo,
No sé cómo ni sé con qué pretexto,
Pero quedarme en vos.

Mi táctica es ser franco
y saber que sos franca,
Y que no nos vendamos simulacros,
Para que entre los dos no haya telón
Ni abismos.

Mi estrategia es en cambio,
Más profunda y más simples,
Mi estrategia es
Que un día cualquiera,
No sé cómo ni sé con qué pretexto,
Por fin,
Me necesites.


Tática e Estratégia
Mario Benedetti

(Tradução livre Sérgio Pinheiro Lopes)

Minha tática é olhar para você,
Aprender como és,
Querer-te como és.

Minha tática é falar com você e escutar você,
Construir com palavras
Uma ponte indestrutível.

Minha tática é ficar na sua memória,
Não sei como e nem sei com que pretexto,
Mas ficar em você.

Minha tática é ser franco
E saber que és franca,
E que não nos vendamos simulacros,
Para que entre os dois não haja cortinas
Nem abismos.

Minha estratégia é por outro lado,
Mais profunda e mais simples.
Minha estratégia é
Que um dia qualquer,
Não sei como e nem sei com que pretexto,
Por fim,
Me necessites.

***
The Snow Party
Derek Mahon

Basho, coming
To the city of Nagoya,
Is asked to a snow party.

There is a tinkling of china
And tea into china;
There are introductions.

Then everyone
Crowds to the window
To watch the falling snow.

Snow is falling on Nagoya
And farther south
On the tiles of Kyoto.

Eastward, beyond Irago,
It is falling
Like leaves on the cold sea.

Elsewhere they are burning
Witches and heretics
In the boiling squares,

Thousands have died since dawn
In the service
Of barbarous kings;

But there is silence
In the houses of Nagoya
And the hills of Ise.

A Festa da Neve
(Tradução de Marcelo Tápia)

Bashô, vindo à cidade
De Nagóia, é convidado
A uma festa da neve.

Há um tinido de louça
E chá na xícara;
Há apresentações.

Então todos se juntam
Diante da janela
Para ver a neve cair.

A neve cai em Nagóia
E mais para o sul sobre
Os telhados de Kioto.

A leste, além de Irago,
Ela cai como folhas
No mar gelado.

Alhures, queimam-se
Bruxas e hereges
Em praças ferventes,

Milhares morreram
Desde a aurora a serviço
De reis bárbaros;

Mas há silêncio
Nas casas de Nagóia
E nas colinas de Ise.

Comments: Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?