19.3.10

 

Guardião do Fogo
Marcelo Tápia
Para Luis Dolhnikoff


Confio-lhe a sorte

de meus poemas desfeitos

confio-lhe o suporte

de meus defeitos

confio-lhe meu rótulo de poeta

meu delírio de asceta

meu chiste de esteta

confio-lhe de olhos fechados a morte

de minha ilusão do mito

confio-lhe, amigo

com alívio

(presente de grego, valor estimativo)

a integridade do meu lixo

Comments:
Invejo a amizade dos cavaleiros medievais.
 
Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?